light gazing, ışığa bakmak

Thursday, December 18, 2008

Inês de Oliveira ilustra, uma escolha para o Natal



Percorrendo as mesas da Fnac com os livros alusivos ao Natal encontram-se inúmeras imagens que se desdobram em cópias, as imagens-padrão do natal tipificado. Não esperava encontrar um livro natalício que mesmo assim conseguisse fugir à imagem estereotipada e apresentar uma alternativa, nova e estimulante. Assim o fazem as imagens deste novo livro escrito por António Torrado e ilustrado por Inês Oliveira. Como se adivinha, não foi difícil a escolha do livro "Milagre de Natal" por entre as opções de história ilustrada para crianças dos quatro aos dez anos.

O que gostei menos foi, em primeiro lugar, do nome, que remete para significados que estão ausentes da narração. Por outro lado, a história, bastante boa, perde por uma excessiva complicação de palavras. Vejo-a lida em bibliotecas escolares na hora do conto para miúdos de seis anos, mas não a vejo tão lida à noite antes de dormir. Porque sei que vou ter de encurtar/alterar o texto e pela opção página de texto - página de desenho, que dificulta e assusta as mães e os pais leitores de pré-sono.

O que mais gostei, como anteriormente, foi das imagens de Inês Oliveira. Estilizadas e fugindo ao cliché do que é suposto ser o natal do comércio e mesmo dos milagres. Gostei dos diferentes pontos de vista e das imagens voadoras para nós que as vemos fugir pela página. Gostei das cores rosa da paleta e da pequenês de um cachorro que, como o Solimão de Saramago, tem uma vontade própria. O que adorei: a originalidade da árvore de natal.

Já antes me tinha parecido que esta ilustradora iria encher prateleiras de quartos infantis, está agora a cumprir a promessa. A sua biografia já é googlável (aqui a deixo de novo, agradecendo à Câmara Municipal de Arouca que teve a feliz ideia de divulgar o trabalho da ilustradora), a sua página anuncia-se embora ainda não esteja em linha. 2009 deveria ser para Inês o ano dos prémios internacionais. tchin-tchin.

- - -

Inês Oliveira, nasceu no Porto em 1979. Estudou Artes Gráficas e Comunicação (Escola de Artes Decorativas de Soares dos Reis – Porto), Artes Plásticas – Escultura (Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto), e participou em diversos workshops da área do Cinema de Animação (Filmógrafo e Casa da Animação – Porto).

Publicou, com texto e ilustrações da sua autoria, os álbuns «A Mosquito» (Nova Gaia) e «Os Amigos de Lia» (Porto Editora). Ilustrou, entre outros títulos, o conto tradicional «A Sopa de Pedra» (de José Viale Moutinho - Campo das Letras), o clássico «A Bela e o Monstro» (de Jeanne-Marie Leprince de Beaumont - Porto Editora), a selecção de narrativas «Lendas e Contos Indianos» (de José Jorge Letria - Ambar) e o conto «O Grande Voo do Pardal» (de Lídia Jorge - Dom Quixote – incluído na selecção «Os Melhores de 2007 da Casa da Leitura», Fundação Calouste Gulbenkian). Tem diversas colaborações em obras de cariz didáctico (manuais escolares) . Participou em várias exposições de ilustração (individuais e colectivas).

Em 2002 recebeu o prémio Ateneu de Escultura atribuído pelo Ateneu Comercial do Porto e, em 2003, o prémio Engenheiro António de Almeida atribuído pela Fundação Engenheiro António de Almeida.

2 comments:

Mad hoje vai à FNAC said...

=o)))) e ainda por cima ilustra antónio torrado (um dos homens que está nos meus imaginários de criança e a quem me estiquei estiquei estiquei Sai da frente! estiquei estiquei até me dar um autógrafo catita quando foi à minha escolinha)

:) :)

A Mesa de Luz said...

até me desviei na cadeira :))) é verdade, António Torrado é uma referência e há já muitos anos.

 
Share