light gazing, ışığa bakmak

Wednesday, April 8, 2009

The Way Home, Caminho para Casa, Lee Jung-Hyang


ainda pela Coreia, virar em sentido contrário para ver "Caminho para Casa" de Lee Jung-Hyang. onde deve estar a moralidade no cinema, se é moral é entretenimento, se amoral arte. é possível distinguir ou classificar, e o que se ganha em classificar? o que é de autor e o que não é, se for Coppola é de autor ou é entretenimento? um equilíbrio, give and take, concordo com Scorcese, mas no seu contexto. fora dele as linhas confundem-se. 

assim, da extrema violência gratuita de Kim Ki-Duk salto para a simple story de Jung-Hyang. o primeiro de autor, o segundo que veio a ser um blockbuster, enorme sucesso comercial na Coreia, filme de pipoca mas sem fazer barulho, orçamento reduzidíssimo, não actores, quase não-cenário, quase sem palavras até porque a septuagenária protagonista é muda. a história toda e respectiva opinião, com a qual concordo, aqui.

o cinema pode educar. este filme, num pack especial que podia incluir A Vida é Bela ou a Lista de Schindler e até a suave Uma Andorinha não faz a Primavera, substituía sem esforço todas as aulas de religião e moral. e com vantagem. recomendo vivamente, mais que vivamente, para todas as avós e para todos os pais de miúdos a precisar de passar uns tempos com as avós.




2 comments:

lemon said...

ΑΑααα, this film ie really an example of "cinema can educate", my sisters very favorite.
Silence can educate, also, ee??

Corean cinema is very advanced, in my opinion. Have you seen "drunk with women and poetry"?

a mesa de luz said...

Really? I totally loved it, I send it for my mother for her to see it too. I haven't watched it, I will try to look for it, tks!

 
Share