light gazing, ışığa bakmak

Monday, April 30, 2012


fronteira económica - fronteira política: interessante e nítida imagem.

lego fan event

Cambodian Dancers, Rodin

não foi Rodin ao Cambodja, mas foi o contrário, em Paris.

 "On 10 July 1906, Rodin, aged 66, attended a performance given in the Pré-Catelan, Paris, by a troupe of Cambodian dancers, who had accompanied King Sisowath of Cambodia on his official visit to France. Enthralled by the beauty of these dancers and the novelty of their movements, Rodin followed them to Marseilles to be able to make as many drawings of them as possible before they left the country on 20 July. They made a deep impression on the artist, as he confided to Georges Bourdon, in an article for the newspaper Le Figaro on 1 August 1906:“There is an extraordinary beauty, a perfect beauty, about these slow, monotonous dances, which follow the pulsating rhythm of the music… [The Cambodians] have taught me movements I had never come across anywhere before…” Rodin used gouache (ochre for the graceful arms and head, deep blue for the tunic draping the body), applied in broad brush strokes over and beyond the contour lines, to amend and rectify the initial pencil drawing of this crouching dancer’s hieratic pose. All the details are eliminated (garments, face, hairstyle…).All that remains is the concentrated energy of the graceful, eloquent, age-old gestures. “In short,” concluded Rodin, “if they are beautiful, it is because they have a natural way of producing the right movements…"
do museu Rodin.

estes foram estudos de movimento. em outros desenhos, o movimento inicial era desenhado e depois passado para uma segunda versão mais perfeita e com maior detalhe, como aqui.

antes de ir para a urgência, tinha-me intrigado esta imagem no quarto do Tivoli no Oriente, inserida numa decoração desmaiada.

Rodin, de Rilke (o obscuro, em leve piada pessoal).
as linhas captavam o movimento.

assim escreve Rilke, o secretário do artista:

Rodin's Late Drawings

Rodin had drawn all his life, but the drawings he made from around the turn of the century (when he was sixty) to his death in 1917 are particularly distinctive. There are around 8,000 of them. Made either with pencil alone, or with the addition of pen and ink or colour washes, these late drawings are images of the most refined simplicity and concise beauty. They can be divided in two types: female dancers, in particular Javanese and Cambodian dancers, and nude female models. Both types were made very quickly, in pencil, from life; some were worked up later. A few were made by tracing from the original onto another sheet, eliminating any superfluous lines as a further means of simplification. Others were cut out and recombined with other figures. This process was highly unusual - both for its speed and freedom. Rodin did not look at the page while he was working. Neither did he ask his models to hold any particular pose. Instead he drew as they moved freely around him, letting each finished sheet fall to the floor as he began another. The daring poses, unique perspectives and bold distortions that resulted are extraordinary. This very innovative way of working coincided with Rodin's obsession with modern dance during this late period. In an article published in 1912, he claimed that 'dance has always had the prerogative of eroticism in our society. In this, as in other expressions of the modern spirit, women are responsible for the renewal'. Isadora Duncan, Loïe Fuller, Diaghilev, Nijinsky, the Japanese actress Hanako, all knew him and posed for him. Isadora Duncan opened a ballet school and brought her students to Rodin's studio so that he could draw them. In 1906, Rodin followed a group of Cambodian dancers to Marseille for the same purpose. His ecstatic response to these various dancers' elegant and liberated movement found expression in sculptural form as well as in drawings. When dancers were not available to draw, Rodin was wealthy enough to employ models. Many of these drawings of nude models are of an intensely erotic nature; the ones illustrated here are amongst them. They are unlike any of his other works. Rodin also had produced erotic drawings for book illustrations. He had provided drawings for a privately printed edition of Baudelaire's Flowers of Evil (1885) and for a limited folio edition of Octave Mirbeau's Garden of Pain. (...)

(deste livro)

Rilke e Rodin incompatibilizam-se durante ano e meio. os desenhos de fim de vida de um quase testemunham o início da carreira do outro, em Viena, na livraria de Hugo Heller, o editor de Freud.

"There was a pleasant surprise on his return. In his mail, forwarded to his Prague hotel, Rilke found a flattering note from Auguste Rodin, asking his opinion of a Viennese bookseller, Hugo Heller, who had been recommeded by Hofmannsthal as a suitable exhibitor for Rodin's drawings of Cambodian dancers. Rilke was glad to give good news: he was slated to conduct his own readings in the same shop. Clearly, one and a half years after their break, Rodin was ready to mend fences.
Following a livelier appearance in Breslau, Rilke arrived on November 8 for his performances in Vienna. On his first evening he gave a reading in Heller's bookshop, which would soon feature Rodin's Cambodian dancers. Rilke's repertoire that evening included the chamberlain's death in Malte as well as selections from his more recent poetry.
A brief interlude threatened to mar the occasion. Just as he started reading, Rilke was jolted by a violent nosebleed, possibly brought on by the strain of traveling. But the bleeding stopped after he had briefly withdrawn to the washroom, and he did not have to accept Hofmannsthal's offer to read his poems for him.
The evening marked the beginning of Rilke's stardom. With a black cloak flung about his shoulders, he looked both distinguished and strangely aesthetic. People crowded around him after the reading to shake his hand."
do livro Life of a Poet: Reiner Maria Rilke de Ralph Freedman.

o verdadeiro


Romaine Brooks

Sunday, April 29, 2012


na rua das árvores quadradas há um tanque azul com peixes engaiolados. ali, com certeza, os peixes voam.

Perle Fine

as florestas de Heidi

de Heidi Romano, também na revista Time Machine.

Rebecca Norris Webb

na revista Time Machine, uma imagem do meu ano, da série My Dakota, no South Dakota.

(faz sentido que no local dos enormes espaços abertos, se veja através de algo demasiadamente perto.
distâncias, ou tudo e eu.

Conrad Marca-Relli


Saturday, April 28, 2012

Miguel Portas

este fim de tarde uma fila de chapéus de chuva à porta do Palácio Galveias.

Friday, April 27, 2012

Georg Dienz


lista de desejos

SP 67, todos estes 10 baking books, Ultramarine de Lowry,  Ar de Dylan porque gostei da ideia do fracasso, e hei-de ler com atraso de bestseller o livro do ano passado de Dulce Cardoso. também gostava de ter papel Fabriano.

sou esquisita, não acho que os diamantes sejam a girl's best friend.

Sete Lágrimas

o site.


Massimo Nota.

no coração do escritor

geralmente julgo que é possível ver onde está o coração do escritor. gosto de escritores com coração. (lembrando: o de Sebald, ou parte dele, estava com as crianças alemãs que foram postas nos comboios da evasão, penso)

- - -

"Erguera o cajado... - Mas, num lampejo de razão e respeito, ainda gritou, com a cabeça a tremer para trás, através dos dentes cerrados:
- Fuja, fidalgo, que me perco!... Fuja que o mato e me perco!
Gonçalo Mendes Ramires correu à cancela entalada nos velhos umbrais de granito, pulou por sobre as tábuas mal pregadas, enfiou pela latada que orla o muro, numa carreira furiosa de lebre acossada!"

brilhante, Eça de Queirós-Queiroz em A Ilustre casa de Ramires.

Thursday, April 26, 2012

embora com alguns senãos, sobre a relação entre a Casa de Ramires e o Cerco de Lisboa.

deste livro-

gosto mais de literatura

Donos de Portugal

'Portugal não é aquilo'

disse Francisco van Zeller na rádio esta manhã. por aquilo referia-se aos emigrantes portugueses no mundo. É sim, sr. francisco e você parece-me que é uma bestinha.

olha, não fui só eu.

Wednesday, April 25, 2012

25 de Abril (4)

25 de Abril (3) (' we feel free because we lack the very language to articulate our unfreedom')

"Economic globalization is gradually but inexorably undermining the legitimacy of western democracies. Due to their international character, large economic processes cannot be controlled by democratic mechanisms which are, by definition, limited to nation states. In this way, people more and more experience institutional democratic forms as unable to capture their vital interests." (daqui)

do mesmo artigo:

"In an old joke from the defunct German Democratic Republic, a German worker gets a job in Siberia. Aware of how all mail will be read by censors, he tells his friends:
 "Let's establish a code: if a letter you will get from me is written in ordinary blue ink, it is true; if it is written in red ink, it is false."
 After a month, his friends get the first letter written in blue ink:
 "Everything is wonderful here: stores are full, food is abundant, apartments are large and properly heated, movie theatres show films from the west, there are many beautiful girls ready for an affair – the only thing unavailable is red ink."

- -

"In April 2000, Ben & Jerry's sold the company to British-Dutch multinational food giant Unilever."
não sabia.

25 de Abril (2)

parece-me que há muitos anos que o vinte e cinco de Abril não tinha tanto significado e que hoje se deseja ver ou rever o verdadeiro sentido na nossa revolução sem tiros. é que o que foi conquistado uma vez não permanece conquistado para sempre. os 'capitães' lideraram, tal como Mário Soares, há 38 anos atrás, tão líderes então como ainda agora.


qualquer dia também nós, os que nascemos na ditadura, começamos a morrer. aliás, já começámos.

Tuesday, April 24, 2012


de Saramago.
aqui, o primeiro número da revista da Fundação Saramago, Lucerna (em .pdf)
aqui, a página da Fundação Saramago.

25 de Abril

15.098, ou seja , há cerca de sete mil e quinhentas famílias em que ambos os membros do casal estão desempregados. no ano passado, 6.900 famílias perderam as casas (agora que se gosta tanto de falar em "famílias"). e toda a malta engalfinhada sobre quem vai à festa e quem não vai.

a tua cara não me é estranha (updated)

"O Chile não se limitou a ser um país modesto até ao Governo de Allende, mas também a sua própria burguesia conservadora prezava a austeridade como uma virtude nacional. O que a Junta Militar fez para dar uma aparência impressionante de prosperidade imediata foi desnacionalizar tudo o que Allende tinha nacionalizado e vender o país ao capital privado e às multinacionais. O resultado foi uma explosão de artigos de luxo, deslumbrantes e inúteis, de obras públicas ornamentais que fomentavam a ilusão de uma bonança espectacular.

Em apenas cinco anos houve mais importações do que nos duzentos anos anteriores, com créditos em dólares avalizados pelo Banco Nacional com o dinheiro das nacionalizações. A cumplicidade dos Estados Unidos e dos organismos de crédito internacionais fez o resto. Mas a realidade mostrou os seus dentes na hora de pagar: seis ou sete anos de miragens desmoronaram-se num. A dívida externa do Chile, que no último ano de Allende era de quatro mil milhões de dólares, é agora de quase vinte e três mil milhões. Basta um passeio pelos mercados populares do rio Mapocho para ver quais foram os custos sociais desses dezanove mil milhões de dólares de esbanjamento. Pois o milagre militar tornou mais ricos muito poucos ricos e tornou muito mais pobres o resto dos chilenos."

García Márquez em A Aventura de Miguel Littín Clandestino no Chile.

A dívida pública portuguesa é, em Janeiro de 2012, 180.756.258.004€. cento e oitenta mil milhões.

cumulus, klein

about Berndnaut Smilde.

Monday, April 23, 2012


A Ilustre Casa de Ramires na Biblioteca Nacional.
(já tinha dito que amo Eça?)

Sunday, April 22, 2012

Terraferma, Emanuele Crialese

Alguma coisa me era familiar, o ambiente, o mar, a aldeia. Não me recordava de Respiro, de que falei em blogue extinto entretanto, no longínquo 2003 em que todos éramos outros, incluindo Itália e Crialese, numa altura em que eu tentava recuperar anos de ausência europeia. Agora seria talvez o contrário e anseio por ver o pó da América no filme de Sorrentino This must be the place. Esquecer Nova Iorque, o que quero é a mid-America.


a preocupação é a mesma de Le Havre, mas o caminho e as cores são opostas- dos cinzentos belgas à luz ardente da Sicília. os imigrantes que morrem nas nossas fronteiras, no nosso mar, são cadáveres que pesam na culpa europeia.

por curiosidade, Timnit T., a clandestina grávida de Terraferma não é actriz, mas ela própria uma dos resgatados ao mar. ("Timnit non è un'attrice. E' una vera migrante. Nel 2009 lessi di questo barcone rimasto alla deriva per 3 settimane e poi approdato a Lampedusa", racconta il regista. "C'erano 79 persone a bordo. Solo in 5 arrivarono vive. Una di queste era Timnit. Restai ipnotizzato dal suo sguardo, in quella foto, sul giornale. E ho voluto incontrarla. Non è stata una cosa immediata. Così come non è stato facile farmi raccontare la sua storia, la sua odissea, vincere le sue reticenze. E allora le ho chiesto di inventare una storia con me, di creare con me il personaggio. E' stata una comunicazione spesso muta, ma lei è una donna molto espressiva. E di grande dignità, come tanti dei migranti che ho incontrato".)

o nosso mar. o início é imediatamente um poema, com todas as partes de um poema excepto as palavras. o que veio de Respiro, mas com nove anos de mudança, foram as imagens do mar, que também termina a história, o final da moldura. o Mediterrâneo é, do modo como o vemos, um pouco do berço do que somos. é hoje também um campo de morte. as imagens que vemos (menos do que deveríamos ver) chocam-me profundamente. aqui gostei da fisicalidade da cena da praia, de como veraneantes semi-nus abraçam os náufragos. tanto em Le Havre como aqui, a polícia é o mau da fita. assim estamos na democracia: o encontro de homens da terra a falar sobre o problema e de como reagir a ele. talvez a democracia mais verdadeira esteja a ser abafada por "ordens de cima". por outro lado, este final de semana a oferecer um espectáculo comovedor: os cidadãos da Guiné Bissau a encherem as ruas reclamando líderes eleitos, contra a ditadura militar.

a tragédia pessoal de cada personagem perfeitamente retratada na história. a tragédia social de ambos os lados também. outro retrato colorido, musical e metafórico: o do nosso mar. as cenas filmadas no fundo do mar perturbam-me, movem-me.

os turistas que por ali passeiam de olhos fechados afinal sou eu.
belas imagens (gostei da luz) mas, acima de tudo, uma história emocional de sobrevivência e solidariedade. não gosto (e gosto, às vezes) do ennui. o ennui não é desculpável quando há tanta coisa para fazer.

"Acta General de Chile", Miguel Littín

aqui,  o filme realizado por Miguel Littín cuja rodagem dá origem ao livro de García Márquez, Miguel Littín, Clandestino no Chile.
 em baixo, entrevista ao realizador:

biografia de Miguel Littín.


Clare Woods

Saturday, April 21, 2012


larguei momentaneamente o meu regime monástico para uma saída à quase-noite, a primeira desde o verão, bem vistas as coisas. (fui ver no mapa onde era Penafiel, envergonhada pela minha calamitosa ignorância.)

Friday, April 20, 2012

hand made

a cor é fabricada. o sabor é fabricado, como o cheiro [caí na asneira de comprar detergente com cheiro de sabão e agora é o quarto assim], para lembrar as sensações da infância [a infância vende, e os psi- estão do lado deles: a fornecerem dados sobre os nossos instintos pavlovianos]. quando o meu filho for adulto terão de fabricar cheiros que imitem cheiros fabricados.


"Chile hurts. A poet once said that “Chile is long as a rancher’s lasso and thin as the poor man’s cot. We live between the mountain range and the sea, balancing like drunks. With our hands clinging to the mountains and our feet wet from the sea, more cold than this world.” What makes the Chilean an insistent, uncontrollable, stubborn persistent being? I don’t know. Perhaps it is the extraordinary mix of races and cultures that gives us an extravagant air, much of the time dark, frugal with words, and brief with incoherent actions and behaviors. The fact is that the whole world waited so long for the compromise that governs after the dictatorship and despite the fact that the parties have made many notable advances for its history today, Chile wants more to the point where we are being devoured by our appetites and uncontrollable desires of consumption only compared to a global level. History has passed through this world without leaving any obvious tracks or traces. Chile also is a country of oversight — a land of negligence and sudden insanity. In this Utopian land reigns under customs disguised as a bad carnival of pragmatism and Cartesiana reason. The reality is that Chile is a line in the air.", Miguel Littín em entrevista sobre o filme Isla 10, que me levou de volta aos prigués de Sepúlveda.

[dia de dizer: é sexta-feira, yeah-]


Thursday, April 19, 2012

no Chile

No Chile pelas palavras de García Márquez com La aventura de Miguel Littín, Clandestino en Chile.
(em espanhol para ler em .pdf, aqui)
Achei familiar o sentimento de voltar depois de doze anos de exílio e desiludir-se com as ruas por reflectirem a ditadura: onde Miguel Littín queria ver pobreza, sujidade, miséria, marcas da ditadura (afinal como se vê em Cuba), viu avenidas iluminadas e uma cidade limpa e calma. Embora totalmente diverso, talvez me recorde o pós-vinte e cinco de Abril quando se esperava que o mundo de repente tivesse novas cores, que as ruas fossem mais belas, os dias mais solarengos, os cheiros mais intensos. o mundo tinha mudado na cabeça de uma nação que esperava ver essa mudança reflectida por todo o lado. Mas como escrevia Crane, o oceano era alheio ao sofrimento dos náufragos. Ou, em alternativa, essa familiaridade pode ter a ver com as expectativas de alguém sobre a imagem de uma cidade que vive sob uma ditadura. Pensa-se na imagem (imagem do imaginário colectivo ) das várias ditaduras: a Berlim cinzenta e os edifícios monumentais, como a Polónia, a miséria colorida em Cuba, a limpeza da Coreia do Norte, a aparente normalidade de Myanmar, a prosperidade exuberante de Angola.

um prédio

aqui no prédio todos os homens estão desempregados, disse ele.

'certain arbitrarily chosen details into embodiments of a disappearing existence'

pela frase, que fala por mim.
são as imagens de Tamas Dezso, para ver aqui.

Wednesday, April 18, 2012


via James.

Bater a hora

Está na hora de fazer ainda outra coisa.
A verdade é que como 'pessoa qualificada para escrever textos em inglês' tive uma nota de 100 por cento, e em português oitenta e três por cento. Está boa... Será que deveria emigrar? Ou será que 'português' era afinal 'brasileiro'... Depois do acordo, convenhamos que escrevo muito mal brasileiro.

diário de um killer

Felizmente entrei na casa do autor pelos fiordes da Patagónia. Se o tivesse feito por este Diário de um killer sentimental, era provável que não tivesse passado a noite. À primeira vista está no patamar da M80.


Tuesday, April 17, 2012

Museu do Bordado e do Barro, de Nisa

um lindo Museu, onde eu queria muito ir. não me decepcionou: a casa está bem restaurada, a exposição interessante, interactiva e completa, tanto para mim como para os mais novos. um senão a meu ver: não podemos ali comprar nada do que vemos, o que seria até um modo de rentabilizar e patrocinar este local. muito bom, não só o Museu, como o trabalho colectivo de muitas gerações de homens e de mulheres que ele representa e honra.

o que aprendi mais surpreendente: a expressão 'atirar o barro à parede'.

o site.

e neste rendilhado mais que perfeito, termino a breve viagem.

restaurante Tombalobos, em Portalegre

Um restaurante cinco estrelas numa zona nova de Portalegre, com vista sobre o parque. a decoração, o design, o fantástico logotipo, as paredes feitas de caixas de vinhos, as cadeiras Stark,  o meio-touro embalsamado na parede, sinais da qualidade deste restaurante que, penso, é de referência na cidade e na região.

Dito isto, os pratos não chegam ao que eu pessoalmente esperava pelo preço e pelo que ouvi do chef josé Júlio Vintém, apesar de serem excelentes e sem mácula. Faltou-me a surpresa e o amor. A sobremesa, um pudim de castanha que achei demasiado seco, também não me impressionou. Para mim crime maior: não há nada previsto para crianças.

aqui, no FB. o site.

afinal outro emigrante.

mensagem via fb:

Não podia deixar de agradecer todo o carinho e apoio que me têm dado nas ultimas semanas....Que bem que me soube....

Gostava só de reforçar que não me vou EMBORA nem Virar costas a Portugal, é algo que não me passaria pela cabeça!
Tentei conciliar os dois projectos, o Tombalobos e o do Recife, mas neste momento, com as regras do jogo que estão definidas em Portugal, acho mais sensato hibernar o Lobo..

Vou me radicar em Recife com a Família por uma questão de logística e estabilidade familiar, como é obvio virei a Portugal regularmente e estou mais que disponível em continuar a criar, participar e colaborar com a gastronomia Nacional.

Além disso o meu projecto em Recife passa exactamente por continuar a contribuir para a divulgação dos produtos nacionais,bem como numa aposta na nossa gastronomia Alentejana! 

Pernambuco é uma região onde as influências Portuguesas em relação á gastronomia são grande....Podemos e devemos fundir e aprofundar mais essa ligação!


desde as meias cor de rosa que uma cor não me satisfazia tanto como quando comprei o acrílico dourado, esta tarde. e agora tenho medo dele. bom, talvez não.


a boa disposição da hora do almoço, na M80.

política de preços

ou também o 'mercado'. é possível encontrar outros nomes menos eufemísticos (ou agradáveis) para isto: o chouriço tradicional que comprei por um euro e meio das mãos da mulher que o criou, o mesmo preço deste delicioso enchido da Salsicharia Alpalhoense no quiosque da Câmara no largo de Nisa, custa catorze euros e meio no Corte Inglés.

mil e quatrocentos por cento de lucro. por outro lado, sem este contrato a salsicharia não seria provavelmente o caso de sucesso que visivelmente é.
somehow, deve haver um equilíbrio mais justo para esta relação produtor - distribuidor - consumidor.

manual de sobrevivência

para tirar fotos panorâmicas, de J. Bandeira.

'wandering and exile'

na introdução de Nicholas Shakespeare a In Patagonia, na edição que tenho, a Vintage Classics (um nome de colecção cretino, mas é a norma, enfim).

"In advance of its American publication, Chatwin drafted a letter to his agent, requesting that In Patagonia be taken out of the travel category [meu ênfase]. He wanted the blurb on the American edition to convey four points, in his opinion the key to understanding the book:

1. 'Patagonia is the farthest place to which man walked from his place of origins. It is therefore a symbol of his restlessness. From its discovery it had the effect on the imagination of something like the Moon, but in my opinion more powerful.'

2. The form described in the Daily Telegraph as 'wildly unorthodox' was in fact as old as literature itself: 'the hunt for a strange animal in a remote land'.

3. He preferred to leave the reader with the choice of tho journeys: one to Patagonia in 1975, the other 'a symbolic voyage which is a meditation on the restlessness and exile.' [de novo, o meu ênfase]

4. 'All the stories were chosen with the purpose of illustrating some particular aspect of wandering and/or of exile: i.e., what happens when you get stuck. The whole should be an illustration of the Myth of Cain and Abel.'

His letter makes clear that Chatwin had come to Argentina with a fixed idea: to retrieve from his abandoned nomad manuscript ('that wretched book', Elizabeth called it) the ideia of the journey as Metaphor, in particular Lord Raglan's paradigm of the young hero who sets off on a voyage and does battle with a monster. Such journeys are the meat and drink of our earlier stories, he told the Argentinian journalist Uki Goni - an 'absolute constant, a universal in literature.' He wanted to write a spoof of this form. Where Jason had sought the Golden Fleece, he would seek the animal in his grandfather's cabinet. And if possible find a replacement scrap."

- -

Monday, April 16, 2012

para lembrar

os produtos DOP da Rota dos Sabores.

entre Marvão e Portalegre

aos pés,

em Marvão.

o perfume da flor de laranjeira

tão intenso no largo do município de Nisa, tão intenso como o de Sevilha onde se ouve o flamenco. aqui ouve-se o silêncio, depois de fechadas as repartições. corremos em diagonal e passámos o arco em direcção ao museu.

quando ao queijo... não duvido por um momento que este é um dos melhores do mundo. ("Wine Spectator recently rated the Portuguese sheep’s cheese “Queijo de Nisa” from the producer Monforqueijo as one of the top cheeses of the world", mesmo sem ler isto. basta deixar as papilas gustativas falar)


multicolor search lab.

Sunday, April 15, 2012


restaurante Gran'Gula, Coruche

a estrela culinária da pequena viagem foi sem dúvida o restaurante Gran'Gula, em Coruche, perto da entrada na localidade, frente ao jardim. uma casa antiga transformada num espaço bonito e agradável. o que se come... fantástico! aparentemente simples, tudo o que vem para a mesa é perfeito e, o mais especial, surpreendente.

o preço também é uma surpresa: abaixo do que eu poderia esperar para a qualidade da refeição (vinte euros para duas pessoas sem vinho), o cuidado que se põe em tudo, a simpatia: muito bom. sempre que passe em Coruche (infelizmente poucas vezes), hei-de lá voltar. aliás: apetece ir a Coruche só para lá comer. uma verdadeira prenda.

das fotos, apenas esta ficou ligeiramente apresentável. mas, neste caso, as imagens não valem mil palavras, e muito menos mil garfadas. a sobremesa era uma mousse de chocolate escondida em massa crocante de Tentúgal com framboesas e molho de frutos silvestres.

o site, aqui

(esta última imagem, do restaurante)
quase me esquecia, mas importantíssimo: há opções para crianças - as famílias são bem-vindas.

aqui, no FB.