a mesa de luz

Saturday, October 18, 2014

sábado, outono





ao que se chega

dormir interruptamente até quase ao meio dia por cansaço, mas bom cansaço, yet another project who knows, não confio em nada ou ninguém que o país se tornou numa abundância de promessas ocas, tal como a língua portuguesa. mil risos para a nova geração à qual não me importava de pertencer porque me identifico: livre, aventureira, fazer antes de problematizar, pragmática, livre sobretudo, assim como os vi no acontecimento tony hawk em carcavelos. parecendo estranho, o sentimento positivo foi semelhante ao de fátima, embora este seja jovem e de vida e não de olhar para trás.

instalar um office xp pirata porque é o que se tem à mão e se precisa tanto de um dos componentes. miséria. a ideia de um memory-card para o sistema operativo, boa ideia, a ideia de alterar pcs até à exaustão, boa ideia.

o meu feed de blogues está praticamente morto e vejo isso com uma pena imensa. restam os convictos, que o fazem para viver, e os profissionais que ali inventariam e testam o que vão publicar elsewhere. fico na dúvida se toda aquela gente não tinha afinal nada para dizer, e talvez seja assim.

considero mudar da palavra escrita para a imagem, quem sabe, dizer sem palavras, mas o processo torna-se impossível. carmesim Kırmızı, era assim, sou demasiado fascinada por estes monumentos. em vez da saudosa ática com as suas capas brancas e o cavalo alado, comprei uma geografia de Sophia edição da assírio que pertence à porto. que caldeirada, saudades de hermínio, saudades de todas as manhãs ler um novo saramago que então blogava, que falta me fazem aquelas palavras ruidosas.

encontro novas ligações, e que fortes, impulsivas, irracionais, profundas, para além das palavras que se pronunciam, como mães e crias. assim gosto de viver.


storytelling










 (não ligues, vai andando)

Friday, October 17, 2014

intervalo de alegria numa semana sem sono




raviolis falsos de beterraba com roquefort e nozes; medalhão de porco com batata doce 2ways, paris brest, um excelente menu por onze euros, verdade verdadeira, incluindo água café, bebida de boas-vindas, sumo de frutos vermelhos ou outro e um amuse bouche inicial. tudo duas vezes por semana na Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril. (outro que comemos, a canja com massa chinesa, espectacular, e os filetes de dourada com ratatouille, excelente).


mapping the hood

from here.

from here.

and what a reading list, omg. as i understand it, the choice of books is purely illogical and unrelated to market or other weird values, and because of that, it is instantly wonderful. thumbs up.

(funny ohboy they think like me kind of moment: "but those maps tend to signify the fame level of the books rather than their literary merit; they also tend to be dominated by white men, most of them dead.")

strange choices: Washington and Sherman Alexie, Massachusets and the Bell Jar.


Tuesday, October 14, 2014

ébola

Acabado de ouvir nas notícias sobre o ébola: "a ultra civilizada Alemanha". há coisas que talvez não devessem ser ditas.

cacho

(yet another project and yet another.) a passagem das palavras para a comunicação de imagens tem sido poderosa e imparável. há algum tempo não queria acreditar quando uma adolescente me dizia que ler camilo era impossível porque não percebia patavina do que estava escrito. sem querer, começo a tirar paralelos: então como lês camões ou gil vicente ou... também eça era impossível de ler. pensei que era dela e fui lançando perguntas na mesma faixa etária. a dificuldade é generalizada.

no início dos blogues dei vivas: a leitura e a escrita aumentavam a olhos vistos; pessoas que normalmente não liam um livro acabavam por devorar páginas de blogues e de se iniciarem elas próprias a escrever histórias, poemas, desabafos, artigos de opinião. estas mesmas pessoas, estou em crer, evoluíram (não no sentido positivista mas no sentido de mudança) para leitores de livros, muitos; para comentadores de jornais e de redes sociais; para largar a escrita/leitura de todo e passarem a partilhadores de imagens.

o que quer dizer a imagem (neste balanço pelo passado), o que significam as iluminuras. apetece voltar às estéreis aulas de português e aprender conotação e denotação.



meu bólide infernal

para acompanhar com um cravo bem temperado.

Monday, October 13, 2014

returning two ways



feeling elated.
(merhaba, ben ana. ben de memnun oldum, erkin. görüşmek üzere, ana.)

 
Share