a mesa de luz

Saturday, February 28, 2015

Thursday, February 26, 2015

'my thoughts exactly'

"Ninguém se atreve a fazer uma observação degradante sobre o facto de alguém ser negro. Ninguém se atreve a fazer uma observação degradante no Instagram sobre o facto de alguém ser gay. Mas sobre a minha idade — toda a gente e mais alguém é capaz de dizer alguma coisa degradante em relação a mim. E penso sempre para mim: por que é que isso é aceite? Qual a diferença entre isso e racismo, ou qualquer outra forma de discriminação? Julgam-me em função da minha idade. Não compreendo. Estou a tentar lidar com isso. Porque as mulheres, de um modo geral, quando chegam a uma certa idade passam a aceitar que não se devem comportar de determinada maneira. Mas eu não sigo as regras. Nunca segui, não é agora que vou começar. "

 (quem disse quem foi) que retirei ao João Lopes.

'with a whimper' (you've got mail)

"Thank You

There are now more than two million active advertisers on Facebook, and we have just two words to say to each one of you: thank you. This is a moment to celebrate all the incredible entrepreneurs like you who are creating value for their communities.

Courtney, a mum in North Carolina who started The Produce Box, a company delivering fresh food that now provides a market for more than 40 farmers across the state. Shubhra and Vivek, married Indian entrepreneurs who sold their house to raise the money to start Chumbak, an accessories company that now employs more than 150 people. Thiago, a Brazilian man in the Amazon who turned his passion for making chocolate into Brigadore Brigadeiros Gourmet, a chain of stores and a national brand. KaYoung, a young woman in South Korea who used her law school tuition money to launch HotelNow, a service for finding last-minute hotel rooms, that is now expanding across Asia.

There are more than two million other inspiring stories of people working to grow their businesses. You’re creating jobs, sharing new ideas and inspiring all of us to dream big. Our mission is to make the world more open and connected, and an important part of that is helping people connect with businesses. Today, we want to express our thanks to you and all of our advertising partners — 2 million strong and growing every day. We’re going to keep working to serve you better, so you can continue creating jobs and opportunities in your community, and moving the entire world forward.

Today, to better support you and your business, we’re introducing Ads Manager for iOS, a new way to manage your ads wherever you are. It’s available today in the US and worldwide in the next few weeks. Learn more or get the app now in the Apple store."

no face


viagens de comboio

enquanto me ponho a hipótese de nas idas a norte optar pela viagem de comboio (o mesmo que colheu a vida e os corpos de dois jovens polícias), leio a do jovem Marcel asmático para Balbec e alinho-a a outras: a de Karenina com o livro no colo, a entrada de Gustav em Veneza, a das crianças alemãs de Sebald, os pastores de Sepúlveda no Patagonia Express.

Tuesday, February 24, 2015

ribeira

na Ribeira o que mais me surpreende é que há muita gente que lá mora, tantas são as janelas com cortinas e com estendais de roupa. e pela roupa vemos as idades dos moradores, como Marcel vê nos detalhes não funcionais da roupa da senhora Swann toda a história do seu passado. não sei como se conseguiu isto como não sei como se conseguiu em Lisboa expulsar de facto aqueles que mais a queriam. também me pergunto como há ainda lojas abandonadas naquela zona repleta de turistas famintos de comprar 'coisas do Porto' e de como os melhores estabelecimentos estão encerrados ao fim-de-semana, sobranceiramente (pode parecer) mas por razões bem mais comezinhas como o facto de não haver empregados para além dos proprietários. as cores vivas das casas sobressaem da cor escura do rio e do cinzento do céu, como as cores suaves de Lisboa tentam acalmar a violência da luz. na Ribeira como no norte, atrai-me a pedra brilhante que está em todo o lado, tão suave para as mãos. de manhã, entre o cinzento e a chuva, os bandos de patos e gaivotas que sobem o rio hipnotizam estrangeiros sonolentos ainda, com as suas curvas. há um excesso de para-ver que engole quem chega a esta cidade.

Monday, February 23, 2015

sailing



"Louis, I think this is the beginning of a beautiful friendship."

(ou não, não há quem saiba).


lembro-me

estávamos num restaurante no primeiro andar, junto à janela, que fazia um arco na pedra. através do vidro via-se o rio. (mas não é uma memória feliz, como eu tinha querido que fosse).


Sunday, February 22, 2015

Saturday, February 21, 2015

cabra

uma pequena China entre o Intendente e o Martim Moniz.



















Friday, February 20, 2015

porque

há silêncios que valem muito mais do que o ouro, são ouro sobre azul.



visitar o centro 'histórico' um pouco antes das nove e ser testemunha do acender do oblíquo sol de inverno. outro silêncio sem preço.









a vida dos objectos

também a propósito de um livro que "saíu" há pouco tempo em português: a história do mundo em cem objectos e que me fez por alguma razão pensar que esse livro não estaria completo sem o papelinho que vinha com as pastilhas Gorila. hilariante, a passagem em que o narrador conta como deu os sofás e outros móveis da sua tua-avó Léonie à casa de meninas que frequenta mais tarde e o arrependimento que sente de cada vez que olha para eles e imagina que através dos seus olhos também a sua tia pode fazer ideia do que ele fez com a mobília.

a mobília é parte viva das histórias, no Tempo Perdido, como a banqueta de Swann, testemunha de uma imaginada inimizade e testemunha mais tarde de um apreço. andando para a frente e para trás só podia pensar na Relíquia e em dona Maria do Patrocínio. noutro registo e apenas porque reli a história há pouco tempo, os objectos do homem rico na Fada Oriana.

ainda sobre a vida dos objectos: o absolutamente genial altar portátil em exibição no Museu de Marinha. o armário, um altar em madeira que se abre e fecha com o santo, e que era levado nas naus para que se pudessem celebrar missas por esse mundo fora.


(o gozo que me deu explicar aos miúdos que era uma portable church)


Thursday, February 19, 2015

icy






a piada

criar sistemas de it para a informação não circular.

Wednesday, February 18, 2015

happy


"Bu, boza ve yoğurt satıcısı Mevlut Karataş’ın hayatının ve hayallerinin hikâyesi. Mevlut, Asya’nın en batısında bir yerde, puslu bir göle uzaktan bakan yoksul bir Orta Anadolu köyünde 1957’de doğdu. On iki yaşındayken İstanbul’a geldi ve ondan sonra hep orada, dünyanın başkentinde yaşadı. Yirmi beş yaşındayken kö- yünden bir kız kaçırdı; tuhaf bir şey oldu bu, bütün hayatını belirledi. İstanbul’a döndü, evlendi, iki kızı oldu. Yoğurtçuluk, dondurmacılık, pilavcılık, garsonluk gibi çeşit çeşit işte hiç durmamacasına çalıştı. Ama akşamları İstanbul sokaklarında boza satmayı ve tuhaf hayaller kurmayı hiçbir zaman bırakmadı."
A Strangeness in my mind.

(para adoçar o sabor a boza, mas sem estar relacionado, só porque sim ou porque preciso de fechar as 15 janelas que estão abertas e reiniciar o portátil pelo menos uma vez por semana: caramelo)


no início do ano novo chinês, para saudar uma auditoria feita e arrumada e sem que eu tenha cozinhado nada. amanhã é um novo dia. estendemos o calendário do ano à nossa frente e faz-se um plano de batalha.

Célio Boca

o meu Célio... já não me lembrava disto. passaram 10 anos.
agora há uma menina: Assucena de Lurdes Fabião Dimande, de Banhine.

knowledge management

pelo que vejo nas procuras, o km foi um penacho de pouca dura e esmoreceu há quatro anos atrás. uma ou outra universidade seguiram em frente mas escusadamente, julgo, e por aqui vejo a dificuldade em estruturar curricula numa sociedade em alteração tão rápida. onde está a moda e onde começa a realidade, a distinção é difícil para "nós", que nascemos fora deste novo mundo, mas fútil para quem nasceu nele e que já vê tudo como fugaz. arrumo o KM no meu esquema (percebendo que foi um clash entre os TI e os gestores, entre a lógica fechada e limitada do TI e a imaginação instintiva ou por vezes a pobreza de espírito dos gestores, sistema vs. caos) - entre a qualidade e a logística e aproveito a boa ideia de fluxos de informação tratados como logística. (querer incluir a criatividade num esquema, que ideia peregrina, mas querer incluir a formação num esquema de informação, tão lógico que nem poderia ser de outra maneira).

é adequado: enquanto Proust escreve o tempo perdido, Portugal faz a sua revolução republicana. existiam genes em 1910? (1940!) se não existiam nos manuais, existiam bem na cabeça do escritor que sobre eles já sabia tudo, dirigindo o olhar para a rua e para a pintura. poderosíssimo gaze. queria ver fazerem KM com isto... tão longe que Proust está do alcance dos sistematizadores.




 
Share