Wednesday, October 21, 2015

fictions

Olhando o mar, sonho sem ter de quê. Nada no mar, salvo o ser mar, se vê. Mas de se nada ver quanto a alma sonha! (...)


o todo aqui. Fernando Pessoa, claro.

No comments:

 
Share