light gazing, ışığa bakmak

Friday, September 11, 2009

Jesusalém

acabei Jesusalém e fiquei destruída, parece que saí de um acidente. uma história triste e ansiosa que li na pressa de saber o fim, armadilhas bem montadas e ratoeiras, uma história convulsionada entre mulheres e o desejo delas. a impressão do início foi confirmada, eram páginas perfeitas demais para resistirem ao tempo da história. por mim, teria ficado na primeira parte, sem que a intrusa chegasse nunca. Cláudia e o que a ela diz respeito foi a parte que não gostei de todo, talvez porque me parece um cliché. as cartas e os escritos, estava capaz de apostar que as letras do miúdo eram tão melhores, até pelo universo do baralho de cartas, imagens assombrosas. tudo o que diz respeito ao universo fechado está feito e acabado sem esforço. é com a portuguesa branca que a coisa se enreda e perde a luz. da segunda parte retirava o sonho de Mwanito, um tratado de qualquer coisa a que talvez chamasse África.


sobre o livro, e muito bem, aqui.

2 comments:

uemeai said...

comecei a ler agora...

a gaiata está melhor? já fugiu de casa? ;)

bpm fds

a mesa de luz said...

É verdade...
Lê as primeiras páginas mais devagar, são as melhores :)

 
Share