light gazing, ışığa bakmak

Saturday, May 30, 2009

uma casa negra

Vestes
Konstandinos Kavafis

Dentro de um caixote ou dentro de um móvel de ébano precioso vou pôr a guardar as vestes da minha vida.
As roupas azuis. E depois as vermelhas, as mais belas de todas. E a seguir as amarelas. E por fim de novo as azuis, mas muito mais desbotadas estas últimas do que as primeiras.
Vou guardá-las devotamente e com muita tristeza.
Quando vestir as roupas negras e quando morar dentro de uma casa negra, dentro de um quarto escuro, abrirei de vez em quando o móvel com alegria, com desejo e com desespero.
Verei as roupas e lembrar-me-ei da grande festa - que será nesse momento de todo finda.
De todo finda. Os móveis espalhados desordenadamente dentro das salas. Pratos e copos partidos no chão. Todas as velas gastas até ao fim. Todo o vinho bebido. Todos os convidados idos. Cansados alguns estarão completamente sozinhos, como eu, dentro de casas escuras - outros mais cansados terão ido dormir.

3 comments:

Anonymous said...

Eu cansado estou
Olho no espelho e descubro-me. Depois deito o lixo fora.
Um fim de semana para sentir a chuva e jantar com os amigos. A inspiração volta depois.
Que ele seja bom, meia
Beijinho, T

Anonymous said...

Os adornos da tua Biblioteca de Babel, são um espanto!
Fim de semana excelente.
Beijinhos
8)

A Mesa de Luz said...

um pouco melhor que o fim de semana já funcionou. (gostas de framboesas Tozz?) obrigada, Armando. um beijinho a ambos, bom fim-de-semana
Ana

 
Share