light gazing, ışığa bakmak

Saturday, May 30, 2009

a propósito do adeus

no meio de uma campanha eleitoral que tem parecido mais um exercício surrealista do que outra coisa, com direito ao Paulo Portas do costume na rota das feiras e com o velhinho mrpp a falar de comboios e campos de golfe, continua a feira de politiquices e vaidades insuportáveis num país em que uma grande parte das pessoas não têm dinheiro para comer. nem é pagar a água ou a luz, ou a renda, é mesmo para dar de comer aos filhos ao fim do dia. há muita gente em filas de novas oportunidades, em filas no centro de emprego, gente que tem tantas dívidas que nem direito tem aos apoios do estado. há gente a procurar todo o dia enquanto dura a vontade, cópias de curriculos para isto e para aquilo (e que se dane o correcto curricula). há mulheres que trabalharam uma vida e que agora limpam a dias. gente qualificada e que concorre a qualquer coisa, seja o que for. gente que não pode esperar pelo fim da "crise" e que tem de ir embora. ora vamos lá votar nos senhores políticos, nem um provedor de justiça conseguem eleger, a vergonhosa aprovação da lei do financiamento dos partidos, a "justiça" que temos, um senhor do bpn em espectáculo mediático pornográfico de tão imoral. duas notas positivas para Paulo Rangel que trabalhou em dois meses o que o seu partido não fez em alguns anos de desaire, outra para António José Seguro que votou contra. enquanto duram e demoram as novelas da tvi, dos pivots da tv, quem é a capa da playboy, e o quique vai ou fica, e quem rouba a quem, fica uma multidão em lay off, uma multidão silenciosa quanto baste, sem tempo para suportar as falsidades do discurso público. e quem pode vai-se regalando nos leilões de quem perdeu tudo. ora vamos lá fingir que não se passa nada.

2 comments:

Anonymous said...

excelente ou a excelência na análise!!
subscrevo na íntegra.
até talvez te "afane" e leve para o meu.
continuação de bfs

a mesa de luz said...

afana à vontade ! :)
para ti também, pela fresca

 
Share